segunda-feira, 5 de março de 2018

Alcance

   O que está ao nosso alcance? É um questionamento fundamental frequentemente evitado por toda pessoa. Por que evitamos tanto essa pergunta? Talvez seja mais seguro pensar que já somos bons o bastante e que já fazemos o suficiente. Fazemos mesmo? Será?

Você faz tudo que está ao seu alcance?

   Essa pergunta nos tira da zona de conforto e nos vira do avesso. Primeiro é importante apurar e conferir qual é o seu alcance. Lembre-se de que para ajudar alguém você não pode exceder o seu limite. Caso o exceda, é provável que seu auxílio não tenha serventia e que você acabe despedaçado. Compreenda que uma pessoa quebrada não pode priorizar o conserto de outra. Eis aí uma resposta simples, mas de difícil compreensão. Não somos resolutos e precisamos penar para descobrir nossos caminhos. É importante planejar as ações e orientar o rumo pelo qual desejamos prosseguir, mas também é fundamental que não nos esqueçamos de que há coisas além do nosso alcance e que imprevistos acontecem e são naturais. Sobre essas coisas distantes, eu não acredito que seja necessário conversar ou discorrer sobre. Aprendemos melhor com o que é lúdico; a experiência própria. A questão verdadeira é: o que devemos fazer para mudar as coisas que podemos alcançar?
   
   Seu braço não se estende tão ao longe. Você ainda não pode alcançar os grandes problemas deste mundo. Você ainda não pode ajudar aqueles que se encontram na penúria. No entanto, esta constatação não pode servir como um pretexto confortável para que você deixe de fazer o que é certo quando sabe que é certo fazê-lo. Ajude as pessoas próximas a você como e quanto puder. Você nem sempre poderá fazer algo, mas há quem só precise de uma breve conversa para encontrar consolo em um mundo que por vezes denota tamanho horror. Aprenda a olhar de verdade para as pessoas. Cada indivíduo é singular e valoroso. É preciso que você esteja lá para sua família, seus amigos e ainda para os necessitados. Todo mundo sabe que a injustiça e a crueldade geram respostas rápidas, mas nem sempre corretas. Se o fogo sempre for combatido com fogo então o mundo se findará em um indescritível incêndio. A bondade e a gentileza, por outro lado, ensinam bem através do exemplo. Se os exemplos estão em falta, como então tornar o mundo um lugar melhor? Se nós temos mil vezes mais modelos ruins como inspiração, para onde vamos direcionar nossos pensamentos antes de dormir? Mantenha a calma e continue a percorrer o seu caminho. É uma questão de tempo até encontrar pessoas que farão seu coração inundar-se de felicidade. Você pode afogar-se em lamúrias e decepções, mas nunca em alegria. Valorize-se! Mesmo que não perceba, pode ser que você já seja o exemplo para alguém. Mantenha-se firme e busque melhorar. É só o começo da estrada e haverá muitos questionamentos daqui para frente, mas para ampliar seu alcance, você precisa ser alguém melhor para você mesmo. Para ajudar aos outros de verdade é necessário que você tenha orgulho do que vê quando se olha no espelho. Comece agora e não pare até que esteja satisfeito. Não importa quantos queiram contrariá-lo. Você sabe... Você é capaz.

Corra até não restar mais energia. Tente até que se esgotem as alternativas. Concentre-se e siga sempre em frente. Você já está realizando um bom trabalho, mas pode fazer ainda melhor.  

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Amizade

     Eu não sei nem mais se sei escrever sobre um assunto específico, mas como tentar não custa nada e o site é meu... Só peguem leve comigo, pois eu estou voltando, ok?
     Desde sempre eu pensei que a primeira obrigação de um amigo fosse ser verdadeiro com o outro. “Que mesmo maus e inconsequentes, sejam corajosos e fieis” (Victor Hugo). Os anos se passaram e hoje conto com cinco bons amigos – e o resto é o resto e só. Não mudei minha concepção sobre amizades – não inteiramente. Aproximadamente há cinco anos, eu esperava que um amigo tivesse uma obrigação moral com o outro, ou seja, eu acreditava em algo parecido com reciprocidade. Só te faz de primeira opção quem realmente gosta e se preocupa com você, certo? Será? Na maioria das vezes sim. Eu reluto em acreditar que uma pessoa que nunca tenha tempo para você possa ser chamada de amigo e no meu modo de ver não são muitos que merecem essa palavra tão forte. Acho que meus pais foram ligeiramente amorosos demais e moralmente severos demais e isso me obrigou a encarar as perspectivas do mundo desde cedo. Eu também assisti a desenhos japoneses em excesso e eles me ensinaram a ter um senso de lealdade aos amigos que dificilmente eu aprenderia com tanta facilidade no dia-a-dia (ainda mais durante a infância). No momento mais difícil de uma trama um rapaz está prestes a morrer, mas crê piamente que o amigo qual brigou irremediavelmente voltará para ajuda-lo. Ele volta. “Eu vim por você, amigo”.

     Sejamos honestos e utilizemos da razão ou nossas ações não valerão mais que as de qualquer animal. Um amigo pode ser de qualquer jeito, forma, cor. Ele pode ser estúpido, louco, bêbado, sério, engraçado, qualquer coisa. E você vai apreciá-lo inicialmente exatamente por algo que vê no meio da casca dele (se você já aprecia alguém só pelo superficial, você é um idiota). Agora faço o questionamento para todos aqueles que acham que possuem amigos de verdade. Quando ele faz algo que não é certo, você se pronuncia ou fala mal dele pelas costas? Quando ele excede os limites, você o interpele a respeito das atitudes tomadas recentemente ou se omite? Se você não conversa com seu amigo sobre o lado “ruim” dele, vive passando a mão na cabeça e precisa concordar com qualquer idiotice em “nome da amizade” você não é um amigo e sim um bajulador. Particularmente demonstro sempre meu asco para com todos os bajuladores e é claro que isso está diretamente ligado ao número quase irrelevante de pessoas importantes que eu tenho na minha vida. E daí? Eu já perdi um amigo no momento em que ele veio se exibir sobre duas mulheres que tinha levado para cama (realmente bonitas) e minha primeira pergunta foi “Mas se é isso que você quer, por que não termina o namoro?”. Muito se disse e mais ainda se inventou por tudo o que veio posteriormente, mas nada daquilo importava. Não tenho ilusões de que nossa amizade tenha durado um minuto depois do momento em que eu o confrontei. Eu perdi a pessoa da minha vida quiçá para sempre, mas aceitei sem me arrepender. Ser como você quer ser não custa nada e ainda assim não é barato.


     Os namoros não matam todas as amizades em todas as ocasiões, como alguns alegam. Geralmente quem incita esse tipo de comportamento são amigos (ou bajuladores) ciumentos que não suportam a ideia de que o seu amigo agora passe a ser uma pessoa fundamental na vida de outro. Vi dos dois exemplos no meu próprio namoro. Houve pessoas que se afastaram assim que eu comecei a namorar. Não, você não leu errado. Muita gente entende que o fato de você ter uma namorada implique necessariamente em isolamento social – te excluem de baladas, bares e quaisquer outras programações só por suporem que agora você não gostaria de ir ou que isso não é programa de namorados, mas sequer perguntam. Esse tipo de comportamento acontece a todo o momento e você que me lê provavelmente já sofreu ou incentivou isso. Há, porém, os casais que buscam o isolamento e consequentemente são eles os responsáveis por afastarem os amigos. Eu finalmente tenho uma pessoa incrível na minha vida. Por que agora eu preciso do resto? É mais ou menos assim que se manifestam os mais radicais. Fazer de alguém prioridade não te obriga a ignorar ou desprezar o restante do mundo, mas quem quer é livre para fazer isso.   

     Enfim, por que raios eu estou falando sobre amizades em uma tarde de domingo? Assim como muitas pessoas banalizam o “Eu amo você” outras tantas transformaram colegas em amigos configurando constantes hipérboles que às vezes me deixam pasmo e às vezes me deixam irritado. Há muitos conhecidos e colegas, mas sempre existirão em ínfima quantidade os verdadeiros amigos. Ainda assim essas são as pessoas que estão de verdade com você e para você. Você pode ter um gosto totalmente diferente daquele seu amigo, mas vocês se entendem apesar disso. Você ama o futebol, ele ama carros; você ama o silêncio e o outro gosta do barulho; você gosta de ler livros e ele de atividades físicas; você gosta do campo e ele das festas, mas essencialmente vocês se respeitam e se aceitam como pessoas diferentes. Comecei a escrever ainda incomodado, mas ao longo do texto notei que tenho mais a agradecer do que a reclamar, pois aprendi a diferenciar e reconhecer verdadeiras amizades. Embora sejam poucos, eu tenho mesmo alguns amigos e por tal motivo sou um homem mais feliz. Que os bajuladores um dia compreendam a diferença entre amigo e colega e que os laços que os unem não sejam tão tênues que se rompam caso deixem de elogiar pomposamente as pessoas por todos os dias. Um brinde às pessoas e aos amigos de verdade! Desejo de coração uma excelente semana a todos!


Obs: Extraordinário é um ótimo livro/filme para fazer refletir sobre a vida que leva e os princípios que o regem. Para quem busca esse tipo de meditação e autoconhecimento essa é a minha dica. Não tenha amigos que não estejam à sua altura”. Confúcio.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Contradição de essência

Sei que estou contradizendo o que antes disse
Mas é melhor que seja assim
Há algum tempo percebi
Que todos os sonhos do mundo habitam em mim

Sou o vasto oceano em tormenta
E a calma lagoa
Sou a tempestade raivosa
E também a tranquila garoa

Só não sou mais de um
Nem mais que eu mesmo
E por isso às vezes fico imerso
Você pode discordar
Mas não me convencer do inverso



Se alguém não compreender facilmente
As contradições de sua essência
Lembre-se de que cada pessoa é única
Tenha paciência 

E agradeça que uma ou outra coisa
Ainda é exatamente o que é
Pois a gente vive tentando ver em algo
Bem mais do que existe

Como se o que existisse já não fosse maravilhoso
O leão covarde sempre foi corajoso
O homem de lata tinha coração
O espantalho tinha cérebro
E você tem o mundo às suas mãos
Viva os grandes mistérios

Mas a gente tem essa mania boba de tentar se diminuir
Você pode não acreditar, mas é incrível só por existir
E ninguém pode ser capaz de te colocar defeitos
Perfeito é ser do seu jeito

Você é feito de coisa mais resistente que o vidro
O mundo é grato por você ter nascido
Então não se desvie de sua conduta
Cada um de nós vai seguir na luta

Vá em frente e siga encarando os desafios
Cante canções alegres atravessando os vales sombrios
Andando com o caminho traçado ou a esmo
Seja sempre honesto com você mesmo

A tristeza logo vai sumir 
E você se verá sorrindo
Quando aprender de uma vez
Como cada dia é singular e lindo 


E aí? Como estão vocês, caros leitores? Espero que estejam bem. Essas frases apareceram na minha cabeça e resolvi compartilhar com vocês, pois me diverti enquanto rimava. Como não tenho nada mais interessante ou divertido para dividir com vocês hoje, deixarei só esse post mesmo, mas tomara que eu encontre os caminhos para utilizar mais o meu blog neste ano. Estou confiante de que será um ano com mudanças positivas para mim e espero que também para vocês que estão me lendo. Feliz 2018! Empenhem-se nos seus objetivos e acreditem sempre nos seus sonhos! Certamente alguma hora nós chegaremos ao nosso destino! Fiquem bem! Boa semana! Abraços, beijos e paz! AVANTI 

terça-feira, 22 de agosto de 2017

História Antiga

Essa é uma história
Guardada na memória
Contada em um tempo antigo

Em toda sua glória
Ele foi alvejado implacavelmente
Por um grande amigo

Em sua busca de justiça
Abaixou a sua guarda
E na confiança cega 
Roubaram-lhe a arma

E ele não mais poderia revidar
De igual pra igual
Mas o homem valente luta ainda assim
Como um feroz animal

E sobrevive e sofre
Pelo tempo que está condenado a sofrer
Resiste, porém, e nega a morte
Porque anseia viver

Seus olhos estão vermelhos repletos de raiva e solidão
Mas quando vê Ele no espelho têm compaixão
Desiste da sua vingança e acredita
Que um dia haverá esperança
Até para a gente maldita

Admite que mesmo resignado por uma vontade maior
Sua raiva não passou completamente
E reflexões de um tempo melhor
Passam-lhe pela mente

Nós carregamos trevas e luz
Por qualquer que seja
O caminho que nos conduz

E em todas as pelejas

Feliz ele se livra de um destino
Que terminaria em solidão e tristeza
Tudo poderia ser diferente
Se lhe faltasse um pouco de destreza

Mas a resiliência falou mais alto
E tudo acabou bem 
Exceto para aquele que até o final
Agiu com tanto desdém 


Sempre se glorificava por seus atos
Caçador de ratos
Da mente obscurecida

Você se lembra?
Eu queria ser como você
Mas hoje posso ver
Você não vale sua comida.


Quanto valem as suas opiniões e conceitos? Quão fracas são suas conclusões e quão rápido cede ao preconceito? O mundo não é um lugar fácil de viver e todos sofrem muita pressão, mas tantas coisas boas estão acontecendo aqui, bem no meio desse furacão. Eu já não tenho do que reclamar. Devagar e aos poucos vou encontrando qual é o meu lugar. Impressiona-me, porém, uma sensação que tenho. Sinto que nesta realidade só conquistamos pessoas ostentando nossa própria vaidade. Se eu te perguntasse, você me diria sinceramente, você é de verdade?

Enquanto as crianças brincam de imitar os adultos, alguns adultos tentam fingir que são mais do que apenas adolescentes. Os maduros riem das demonstrações fúteis e pavoneadas daqueles que não sabem nem mesmo o que querem para a própria vida. 

Fiquem bem. Boa noite!
Obs: todos unidos pela Michele campeã do MasterChef 2017? Sim!

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Maegis


O rei Tristan parecia abatido sentado em seu trono. Cofiava a barba rala de seu queixo enquanto meditava sobre as possibilidades que tinha para solucionar seus problemas. A situação já era difícil o bastante, mas piorava mais e mais. O único conselheiro do rei que estava presente naquele momento era Trabu, e este o observava complacentemente. 

- O que foi? - Perguntou o rei, irritado. - Se você vai ficar me encarando com essa expressão esquisita, informo que prefiro ficar em minha própria companhia. Seu rosto é peculiar, mas não tenho apreço algum por observá-lo por mais que alguns minutos diariamente. 
- Majestade, concede-me a palavra? - Perguntou com polidez. Tristan sabia que o conselheiro traria mais notícias ruins, mas não havia como evitá-las
- Diga logo o que quer dizer, Trabu. São notícias de seus parentes, certo? Fale de uma vez. 
- Não só dos meus parentes, majestade, mas receio que eles também tenham que ser mencionados neste diálogo. 
- Ande, Trabu. O mundo está desmoronando enquanto perdemos tempo aqui, e dirão que a culpa é minha. Narre todas as novas notícias quais valham a pena! 
- Como ordena, majestade. Primeiramente, algo estranho está acontecendo há dois dias nas fronteiras da Floresta de Prontera com o Deserto de Morroc. Há relatos de que dois bruxos e uma criatura estranha estão impedindo a passagem de todos os transeuntes. Os mercadores se recusam a se arriscar por este caminho. - O rei esfregou as mãos, impaciente e irritado. 
- Eu tenho a impressão de que você não me contou tudo o que sabe, Trabu. Existem provas de que a criatura esteja realmente associada aos bruxos?
- Não, majestade, porém há mais uma informação que talvez mereça ser mencionada. Um mercador local disse que mesmo a quilômetros de distância foi capaz de escutar uma música lúgubre e hipnotizante. - Os olhos de Tristan se arregalaram e ele se levantou da cadeira.
- Maegis? - Perguntou ao conselheiro, e sua voz saiu gritada sem que percebesse. 
- Não podemos confirmar, senhor, porém a possibilidade é tão real como qualquer outra especulação. 
- Por que ela participaria de algo assim? - Tristan aos poucos estava perdendo o controle. Fechou os olhos e juntou as mãos. - Apak ce tu cen, kambo. Apak ce tu cen, kambo. Pio tera ce tu, cen. 
- Vossa majestade me espanta com seus conhecimentos diversificados. - Disse Trabu não sem alguma pitada de ironia na voz. Tristan abriu os olhos e parecia simultaneamente calmo e determinado. As palavras que havia pronunciado carregavam algum tipo de magia. 
- O conhecimento é algo que poucos almejam. Se me mantivesse cercado apenas pelos aprendizados humanos, eu jamais teria condições de ser um bom rei. Pratique a doutrina dos Memek Thu Lhen também. Aposto que não lhe faria qualquer mal. - Disse o rei e deu um sorriso matreiro. - Continue. 
- A doutrina deles não é para mim, mas continuarei os meus relatos como ordenou, majestade. Se a fronteira entre Prontera e Morroc se tornou impassável, a única rota alternativa e viável aos nossos mercadores é a Floresta Escura. Aumentarão o tempo de jornada em cinco dias para ir, e cinco para voltar. E é aqui que...
- É aqui que entram os seus parentes, certo? Os goblins moveram parte de seus exércitos para a Floresta Escura. Deste modo emboscam nossos mercadores, e todos os negócios que existem entre Prontera e Morroc ficam impedidos. Tendo toda esta situação em vista, creio que os goblins estejam aliados aos bruxos referidos, mas reluto em acreditar no envolvimento de Maegis nesta história. Nunca há diplomacia com os goblins, Trabu?
- Quase nunca, majestade. Geralmente resolvemos as coisas em combates simples mesmo em nossas próprias desavenças. Quem sobreviver será o dono da razão. - Tristan não conseguiu se conter e gargalhou alto. 
- Você é uma pequena exceção, meu amigo Trabu? - Perguntou retoricamente. - Convoque o Lorde Gilbratar e o Lorde Gales. Iremos até a fronteira com uma tropa notável. Algum dos Bruxos Reais se encontra em Prontera?
- Não, senhor. Temos Baemis e Keffer, magos estudando o ofício da bruxaria. 
- Merda... Tudo bem. Por que existem os Bruxos Reais se eles nunca estão quando precisamos? Situações urgentes pedem medidas urgentes. Quero Gilbatrar, Gales, Baemis e Keffer reunidos nesta mesma sala em duas horas. Localize-os, Trabu. Enquanto você faz isso, eu vou até a Ferraria. Há uma encomenda que preciso retirar. 
- Sim, majestade. 
- Nos vemos em breve. Obrigado pelos conselhos. Até logo!

O rei não esperou que Trabu lhe respondesse. De repente parecia cheio de ânimo e vigor. Ser rei tinha suas vantagens e desvantagens, mas ficar preso dentro de uma sala resolvendo questões burocráticas era deprimente. Ele odiava saber que a guerra era cada vez mais iminente, mas havia decidido que participaria da expedição ao deserto. Os conselheiros se demonstrariam totalmente contra. Para eles, o rei de Prontera deveria ser protegido e preservado acima de tudo, mas Tristan não seria vetado da jornada. Não existia qualquer pessoa do mundo que pudesse lhe tirar a chance de ver Maegis mais uma vez. Ele repetiu o nome em sua mente inúmeras vezes até que o som saísse de sua boca novamente. Seu coração batia rápido. Sua voz era uma súplica e uma oração. 

- Maegis...


E aí, galera! Só alegria? Escrevi na segunda-feira um trecho da história do rei Tristan III. Eis aqui uma breve continuação que fiz agora. Esta cena, porém, se passa antes do encontro de Tristan com o dragão. Espero que gostem! 

terça-feira, 16 de maio de 2017

Dúvidas de Morte

O doutor havia ratificado a opinião do outro médico: eu morreria em breve. Cogitei que estivessem fazendo alguma piada dotada de um senso de humor perverso, que só os ascetas entenderiam, porém, parte de mim acreditava no que os homens contaram. Embora, de fato, seja crível ouvir que sua morte vem em breve, as palavras saem da boca de um desconhecido a quem você paga para preservar a sua saúde, e a ideia de saber da iminência da coisa sem a capacidade de alterá-la, só faz com que o crescente sentimento de impotência te mate antes de que você esteja morto. A inebriante sensação do vento no rosto já não tem o mesmo gosto. Era mais divertido quando por impulso tentava cortar os próprios pulsos e sentia o recente receio que consternava todos os alheios. Mas naquela época sempre havia um hospital. Sempre havia um anjo pecador qual evitava o mal final, e assim, brincando com a sorte, escapava da morte. A resposta e os olhares preocupados e hostis não eram mesmo assim capazes de extinguir o meu senso infantil. Embora ninguém pudesse me entender, eu sempre gostei do meu jeito de viver. 

Demonstrei o meu asco para com todos os réprobos; transformei objetos de todas as espécies em pequenas orbiculares só para cumprir com a obsessão da sensação de colocar o mundo inteiro em minhas mãos. Não queria todos aos meus pés, como muitos entenderam posteriormente. Queria colocar em pé todos os que muito sofreram. Mas é frequente nos tempos modernos a zombaria. Ridículo é se não quer o que todos queiram. Seu nome antes puro foi vituperado. Seu corpo ágil está todo machucado. O solecismo do mundo não te incomoda como antes. Os ímpios são a personificação da ironia dominante. Começamos seguindo os deuses e Deus, e veja no que isso deu. O velho arreliento lança pragas e desafios para os mais novos e deseja que morram lentamente. Os jovens não se vergonham de seu estado opróbrio. Riem do velho e lhe arremessam frutas podres. Meus olhos se prendem nesta cena por quase mil anos, e ainda não a compreendo. O mundo vai e vem, e gira sem parar, e mesmo com tantas voltas, ninguém sai do lugar. A maldita crença de que podemos fazer a diferença foi espalhada por infames professores. Taciturnos e bem vestidos, com incontáveis silogismos, querem falar sobre amores. Qual o epíteto que melhor descreveria os desgraçados? Os imbecis que fazem tudo querendo ajudar e nem são capazes de fornecer a si mesmos qualquer ajuda digna? É a incúria o mal da sociedade ou o caminho errado mais correto? Devemos abandonar aqueles que não fazem o que é certo? Não praticamos a misantropia sem saber? Fazemos o que determinam, brincamos com a nossa única vida (há controvérsias), e deixamos de fazer tudo o que deveríamos fazer por medo? O homem de preto sobe no palanque para mais uma cavilação, e mais uma vez ele será capaz de enganar toda uma nação. Aquele que erra encontra redenção? Tantas questões banais para se pensar antes de partir, e pela primeira vez simultaneamente invejei alguém e fiquei sorrindo. A única criatura de sorte é aquela que encontra a morte enquanto estava dormindo.  


Escrevi "Dúvidas de morte" há alguns meses, mas não houve interesse meu em partilhar antes. Este foi outro texto teste para que eu avaliasse se era capaz de utilizar palavras que não fazem parte do meu cotidiano. Ainda assim, espero sinceramente que vocês tenham aprovado o texto. Fiquem bem!